BLOG

Lucas Matos

Ex-assessor do Conselho Regional de Educação Física do Paraná, é repórter do Net Esporte Clube e colunista de vôlei.

Publicado em 15/03/18 22:03 atualizado em 15/03/18 22:06

Fica em Ponta Grossa, Caramuru Vôlei

O ponta-grossense não gosta de esporte, gosta de ganhar. O ditado é clichê, mas é verdadeiro. Basta olhar os públicos nos estádios e ginásios da região. Quantas vezes os jogos do Operário estão esvaziados? E os jogos do antigo Keima Futsal? Você lembra quando eles estavam lotados?

Quando a fase é boa, o público aparece, as críticas cessam, fica mais fácil até para trabalhar nos jogos. E o que isso tem a ver com o Ponta Grossa Caramuru? Apesar do sucesso de público, terceira maior média da Superliga, o projeto do clube é muito criticado em Ponta Grossa.

A campanha do Caramuru não é das melhores, são 5 vitórias em 21 jogos - apenas uma em casa - e 19 pontos conquistados. Mas as críticas não vêm do desempenho em quadra, muitas envolvem os resultados, é verdade, mas sempre  acompanhadas do coro de ‘volta pra Castro’.

O Caramuru carrega o nome do clube castrense, que muitos ponta-grossenses criticam pelo clube ter sido rival do Operário num passado distante. Muitos pedem o fim do projeto em Ponta Grossa, alegam que faltam vitórias, que era melhor criar uma equipe 100% da cidade.

O que essas pessoas não veem é o caminho percorrido pelo Caramuru, que do clube antigo carrega apenas o nome, já que passou a ser uma associação independente. São três anos do projeto de alto rendimento que conquistou a vaga na Superliga, competição essa que é conhecida por ser uma das mais fortes do planeta. Não é nenhum exagero, basta olhar os últimos resultados do mundial onde os brasileiros foram campeões em três de cinco oportunidades.

A saída do clube de Ponta Grossa significaria perder de sediar jogos de vôlei de uma competição repleta de campeões olímpicos, de jogadores de nível mundial, coisa rara até para a capital do estado. Não podemos deixar escapar a chance de ver uma equipe crescer e se fortalecer, de ter em nossa cidade um projeto que busca excelência no esporte sem deixar a parte social de lado.

O vôlei já foi considerado o segundo esporte do brasileiro, sempre alternando com o esporte que está mais em destaque pelas conquistas, o futebol. Vamos torcer para que o vôlei profissional seja o segundo esporte do ponta-grossense, com críticas ao que acontece dentro da quadra e não por causa da origem do projeto.